quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Reminescência Iluminista

Demonstrai-vos-eis o meu coração de pedra.
Porde-eis em prática sua singularidade enquanto seguis-te sua vossa razão.
Traga-nos virtude tenebrosa e diga-nos qual a sua reminescência perpendicular segundo o vosso reto juízo.
Dai-me-eis paciência na sua mais insensata modestia, que eu vos sigo, perante seu caminho incolor e iluminoso sob as faces mais escuras da Terra.
Enquanto sigo-vos com essa capa danosa e imprudente, não imaginas o quanto de cólera tu me causas!
Jurá-me, piedoso homem, que irás limpá-la como desfrutar do pecado suas impurezas que nele há cercam.
Renová-las como um rosto puro e trazê-la-nas pela demagogia toda a sua impregnância e renascência, enquanto, sob a luz do mais famoso conjugê Iluminismo brota a total fidelidade de um vinculado homem.
Se tu der-te-lás vida pura novamente, juro-te na mais forte promessa seguir-des seu caminho como um bom homem no coração mais sensato e vinculoso de todos os séculos!
Vinde-me buscar como busca ao pai, retira-me como um diamante precioso e me leva contigo na sua alma mais digna de bom homem prógido iluminista.

Milena S.

4 comentários:

  1. que isso meninaa.... arrepiei com essa leitura, que me tirou de órbita por alguns segundos. Escreve muito bem mesmoo. Parabens

    ResponderExcluir